USP ensina Sociologia

Raça e Identidade

O Conceito de Raça e Racismo Brasileiro
Autora: Júlia Audujas Pereira

dezembro / 2017

Este artigo busca apresentar um panorama sobre a trajetória histórica dos estudos das relações raciais, com maior ênfase no caso brasileiro. Trazer à tona essa discussão é importante, pois nos ajuda a desvendar a questão racial que, tantas vezes, se mostrou algo confuso, nebuloso e perverso na realidade social. Principalmente após a Segunda Guerra Mundial, o discurso de combate ao racismo e pró-direitos humanos ganhou força e, de modo geral, fez com que “raça” e “racismo” se tornassem quase palavras “proibidas” para o senso comum. (Guimarães, 2003, p. 96) Soma-se a isso, o fato de que, no Brasil, como iremos demonstrar, a identidade nacional foi construída sobre a imagem de que somos o “paraíso racial”, onde não haveria conflitos raciais. (Guimarães, 2001).

TextoAtividades didáticas

_______________________________________________________

Interseccionalidade nas Ciências Sociais
Autora: Ilane Cavalcante Lobato Alves da Silva

dezembro / 2017

A sociedade é composta por diferentes tipos de agrupamentos e organizações. A partir dessas partes podemos compreender como ela se estrutura e que tipo de relações existem entre esses agrupamentos. O estudo dessa forma de organização social permite explicar as diferenças, desigualdades e hierarquias existentes na sociedade, se utilizando do conceito de marcadores sociais da diferença (NUMAS, 2017).
Marcadores sociais da diferença são compostos por raça, gênero, sexo, idade, classe, deficiência etc. e a articulação dessas categorias, por meio de uma abordagem interseccional, que compreende a análise das relações sociais em sua complexidade e pretende pensar como tais marcadores estão articulados na prática social, é algo relativamente novo na produção acadêmica, com muitas literaturas em língua inglesa e francesa (GUIMARÃES, 2003; HIRATA, 2014; MACEDO & MARIANO, 2015).

Texto - Atividades didáticas

_______________________________________________________

O embranquecimento da população brasileira: quais os desafios da mulher negra? Lélia Gonzales e sua trajetória

Autora: Bianca Stefano Vyunas

dezembro / 2017

O processo de miscigenar a raça branca com a negra para gerar indivíduos intelectualmente superiores culminou na supervalorização do mestiço na cultura brasileira, no que, entre muitas definições, é chamado de embranquecimento da população. (...)Dito isso, uma pergunta paira no ar: Quais os lugares específicos da mulher negra na sociedade brasileira, levando-se em consideração sua desigualdade e sub-representação diante do embranquecimento? (...) Partindo dessa indagação, acreditamos ser possível orientar a discussão sobre a mulher negra e a especificidade de sua condição sob a ótica do embranquecimento, através da trajetória de vida da antropóloga, militante e intelectual Lélia Gonzales. Esta passa por um processo denominado por ela mesma de enegrecimento, quando, depois de muito lutar contra os marcadores fenotípicos e sociais que a colocavam no lugar de “negra”, se reconhece enquanto tal no processo de valorização de seu lugar social e de demanda por espaço e voz. Passagens de sua vida, declarações e um de seus objetos de estudo, ajudam-nos a refletir quais os lugares possíveis e permissíveis às mulheres negras na reflexão acerca de sua representação, suas demandas por melhorias na qualidade de vida e a valorização de seu eu negro.

Texto - Atividades didáticas

_______________________________________________________

Paulistanidade e Discriminação - O Caso Nordestino

Autora: Marina Chaves de Macedo Rego

julho / 2017

Elejo como objeto de estudo as mobilizações de orgulho regional paulista, bem como o histórico fenômeno da discriminação contra nordestinos. Com tal objetivo, apresento este texto focada nos processos de racialização e demarcação econômica patentes ao regionalismo paulista e ao estereótipo nordestino, bem como nas relações entre a paulistanidade e diversas práticas discriminatórias. Assim, empenho-me em defender que certos aspectos do regionalismo em questão se inserem em um amplo processo de racialização capaz de contrapor brancos e não-brancos através de um viés regional. Sendo este viés baseado, inclusive espacialmente, em um ideal de nação embranquecida, rica e civilizada.

TextoAtividades didáticas

_______________________________________________________

Racismo, Discriminação e Preconceitos: como trabalhar os conceitos?

Autor: Matheus Nordon Preis

julho / 2017

Um dos principais temas da sociologia no ensino médio é o das relações raciais. Trata-se de uma problemática de extrema importância não apenas pelo seu papel na construção da igualdade irrestrita, da consolidação e efetivação de direitos conquistados (nesse caso pelo movimento negro) no país, mas também pela sua relevância preponderante na estruturação das relações sociais no Brasil, enfim, para a compreensão da sociedade brasileira – objetivo disciplinar da sociologia na educação básica. (...) Pretende-se, por este texto, oferecer algum subsídio teórico para o tratamento da temática do racismo e da discriminação racial nas escolas de ensino médio. Para isso, buscar-se-á passar por uma discussão teórica mais geral sobre os conceitos de raça e racismo, para em seguida abordar de forma sintética como estas ideias se desenvolveram no Brasil, e ao final apresentar os conceitos de preconceito e discriminação, estereótipos e estigmatização, extremamente úteis para a abordagem da dinâmica do racismo.Texto - Atividades didáticas

TextoAtividades didáticas

_______________________________________________________

A História dos quilombos e os Quilombos na História: Uma questão de identidade

Autora: Mariana de Oliveira Gomes

dezembro / 2014

Esse artigo visa dar um panorama geral sobre a situação histórica dos quilombos, culminando nas problemáticas enfrentadas pelos remanescentes quilombolas hoje. Para isso, faz-se um apanhado dos estudos na área e da constituição, divididos em três frentes principais: A história dos quilombos e os quilombos na História oficial; A luta por “terras tradicionalmente ocupadas” e a questão identitária da negritude, através dos quilombos e pelos quilombolas.

TextoAtividades didáticas

_______________________________________________________

Relações raciais no Brasil
Autora: Karina Fasson

dezembro / 2011

A discussão sobre relações raciais e racismo no Brasil se mostra fundamental nas salas de aula de um país em que cerca de metade da população é composta por afrodescendentes. Pensando na importância de trazer esse debate para o Ensino Médio, empreende-se uma revisão sobre o estudo das relações raciais no Brasil para, em seguida, apresentar ideias de alguns autores sobre a socialização racial no ambiente escolar e discussões acerca das cotas raciais na universidade.

TextoAtividades didáticas

_______________________________________________________

A raça em questão: de onde vêm as idéias raciais que predominam na sociedade brasileira?
Autora: Valéria Alves de Souza

junho / 2010

O presente trabalho tem como objetivo a exposição de interpretações sobre o Brasil, no que diz respeito às questões raciais ao longo da sua história. Para tanto, será necessário perscrutar a literatura sobre o tema produzida até hoje. As discussões recentes também serão abordadas. Desse modo, veremos uma parte da história sobre a formação social brasileira que, em grande parte, contribuiu para a construção do ideário racista brasileiro. 

______________________________________________________________

Florestan Fernandes e os estudos sobre o dilema racial brasileiro
Autor: Wellington Pascoal de Mendonça

junho / 2013

Este trabalho trata, por um lado, das especificidades inerentes à sociologia de Florestan Fernandes e, por outro, de suas contribuições acerca da questão racial no Brasil. Nesse sentido, a fim de se apreender comparativamente as características da produção acadêmica do autor, bem como suas escolhas temáticas, expomos brevemente as contribuições de Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda e Caio Prado Júnior. Além disso, tratamos do grupo de pesquisa que se formou sob sua liderança quando estava à frente da cadeira de Sociologia I da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP – a chamada Escola Paulista de Sociologia. Por fim, discutimos as perspectivas de Florestan Fernandes acerca da inserção dos segmentos negro e mestiço na então emergente sociedade de classes no Brasil.

TextoAtividades didáticas

______________________________________________________________

A escola e o racismo: Perspectivas da lei 10.639/2003 e de ações pedagógicas antirracistas
Autora: Luisa Caetano Escobar da Silva

dezembro/2013

O objetivo deste artigo é traçar um panorama do racismo nas escolas brasileiras, levando em conta os 10 anos da promulgação da Lei nº 10.639/2003, conhecida como a lei da obrigatoriedade do ensino da História da África, e considerada uma conquista do Movimento Negro.

TextoAtividades didáticas

______________________________________________________________

Pontos sobre o debate acerca das ações afirmativas : o ingresso de negros no ensino superior

Autor: Moacir Marques de Lima Junior 

Atualmente, um dos debates mais acalorados existentes no Brasil é o que se dá ao redor da adoção de políticas públicas de acesso ao ensino superior público baseadas, chamadas comumente de cotas raciais ou ações afirmativas. Por este motivo, o texto teórico e o roteiro didático aqui apresentados buscam debater as relações raciais brasileiras e atual debate sobre as ações afirmativas para o ingresso em universidades públicas

Texto - Atividades didáticas

Localização

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
R. Prof. Luciano Gualberto, 315
Prédio de Ciências Sociais e Filosofia -  2o. andar - sala  13
Cidade Universitária - São Paulo - SP
 
 

Website melhor visualizado nos navegadores Firefox 3
ou superior e Google Chrome
Desenvolvido por: Regina Cariello