USP ensina Sociologia

Cultura Indígena

Populações indígenas e mercadorias: reflexões a partir da antropologia social
Autora: Camila Galan de Paula
 
junho / 2014
 

É bastante comum que afirmativas como “índios que usam roupas, celulares e comem produtos industrializados não são mais índios”, ou “só é índio quem vive na floresta” apareçam em discursos do senso-comum, seja na mídia, seja em outros espaços. Tais asserções, da perspectiva da antropologia social, não fazem sentido. O objetivo aqui será o de explicitar os motivos para isso e apresentar sintética e simplificadamente um caso etnográfico da relação de uma população indígena no Brasil com mercadorias e dinheiro. Em primeiro lugar, apresentam-se brevemente os critérios jurídicos usados na circunscrição das figuras de direito relacionadas aos índios no país desde a Constituição Federal de 1988. Em seguida, serão expostas algumas críticas antropológicas ao que se costuma denominar essencialismo cultural, em especial no que toca a questão das populações indígenas no Brasil.

Texto - Atividades didáticas
______________________________________________________________
 
Fundamentos antropológicos para os Direitos dos povos indígenas
Autor: Jorge Gonçalves de Oliveira Junior
 
dezembro / 2012
 
Tratar a contribuição dos povos indígenas como fato histórico consumado e/ou tradição cultural cristalizada dificulta a compreensão da complexidade das relações sociais, políticas e culturais desses povos desenvolvidas no âmbito das instituições da sociedade brasileira. Nesse sentido, o presente trabalho pretende fazer um debate sobre os fundamentos antropológicos para os Direitos dos povos indígenas, a fim de problematizar o modo como os povos indígenas têm sido considerados juridicamente ao longo da história.
 
______________________________________________________________
 
Repensando o ser índio com os Guarani e Kaiowá hoje
Autora: Joana Moncau
 
dezembro / 2012
 
Desde 2008, o ensino da história e da cultura indígena é obrigatório nas escolas do país. Apesar do considerável contingente de indígenas no Brasil, a ignorância sobre esses povos ainda é grande. Este texto pretende dar subsídios para o professor descontruir o senso comum que existe sobre o que é ser um índio, além de debater alguns dos efeitos nocivos da visão estereotipada. Para isso, recorrer-se-á, fundamentalmente, a dados censitários e ao estudo do caso dos Guarani e Kaiowá do Mato Grosso do Sul, o maior povo indígena não amazônico do país. Alguns autores nos ajudarão a pensar essa problemática também, como a antropóloga Manuela Carneiro da Cunha, Spensy Pimentel, Viveiro de Castro e outros estudiosos do tema.
 
 
______________________________________________________________
 

A criatividade indígena e a cultura material
Autor: Daniel Belik

junho / 2010

Este texto enfocará a importância da cultura material para o desenvolvimento das populações indígenas. Trata-se de um tema que se encontra na intersecção de muitos campos do conhecimento e por isso pode ser trabalhado a partir de diferentes vieses, tais como o da arqueologia, da antropologia (etnologia indígena), da História, da arquitetura e das artes plásticas e visuais. Os estudos de cultura material constituem uma via privilegiada para acessar as dimensões mais recônditas da sociedade, seus aspectos encobertos nas relações sociais, o modo como as narrativas míticas influenciam a construção da visão de mundo, como operam as transformações culturais, enfim como uma dada sociedade se concebe expressando-se por meio de símbolos.